8 Surpreendentes benefícios do mel para saúde

benefícios, colesterol, diabéticos, mel, saúde -

8 Surpreendentes benefícios do mel para saúde

 

Desde os tempos antigos, o mel tem sido usado como alimento e medicamento.

Um alimento utilizado em todo o mundo, não só pela sua propriedade adoçante, mas também como promotor de saúde, considerado uma fonte natural de saúde devido às suas qualidades terapêuticas tais como: atividade antimicrobiana, protetor de  doenças  gastrointestinais, propriedades antioxidantes, propriedades prebióticas, além de ser uma boa fonte de energia proporcionando bem estar.

Então por que não incluir o mel na sua alimentação? Vamos te dar 8 motivos para isso!

 

  1. Poderosa composição

O mel, por definição, um produto natural de abelhas é obtido a partir do néctar das flores (mel floral), de secreções de partes vivas das plantas ou de excreções de insetos sugadores de partes vivas das plantas (mel de melaço)

 Ele é um alimento constituído basicamente de glicose e frutose, muito rico em vitaminas, minerais, compostos fenólicos (também conhecidos como ácidos fenólicos) e enzimas, em apenas uma colher de sopa de mel pode conter diversos elementos benéficos para o ser humano.

Dentre seus compostos, o mel de alta qualidade contém muitoantioxidantes importantes . Estes incluem ácidos orgânicos e compostos fenólicos como flavonoides. Os cientistas acreditam que a combinação desses compostos dá ao mel seu poder antioxidante. 

Curiosamente, dois estudos mostraram que o mel de trigo sarraceno aumenta o valor antioxidante do seu sangue.

Os antioxidantes têm sido associados à redução do risco de ataques cardíacos, derrames e alguns tipos de câncer, por isso o alimento é interessante para o público que faz parte deste grupo.

 O mel estimula a produção de serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de prazer e bem-estar.

     2. Redução da pressão arterial

A pressão arterial é um fator de risco importante para doenças cardíacas, e o mel pode ajudar a reduzi-la, essa redução é efeito dos poderosos antioxidantes. 

Estudos em ratos e humanos mostraram reduções modestas na pressão arterial devido ao consumo de mel.

    3. Benefícios para diabéticos

As evidências sobre mel e diabetes ainda não são bem claras.

Estudos mostraram poder de reduzir vários fatores de risco para doenças cardíacas comuns em pessoas com diabetes tipo 2, como: colesterol LDL "ruim", triglicerídeos e inflamação, enquanto aumenta o colesterol HDL "bom".

No entanto, alguns estudos descobriram que também pode aumentar os níveis de açúcar no sangue - mas não tanto quanto o açúcar refinado, podendo ser um aliado. 

Embora o mel possa ser ligeiramente melhor do que o açúcar refinado para pessoas com diabetes, ele deve ser consumido com cautela quando usado como adoçante natural.

Lembre-se também de que certos tipos de mel podem ser adulterados com xaropes. Embora a adulteração de mel seja ilegal na maioria dos países, continua a ser um problema generalizado. 

 

    4. Controle do colesterol 

Níveis elevados de colesterol LDL são um grande fator de risco para doenças cardíacas. Este tipo de colesterol desempenha um papel importante na aterosclerose, o acúmulo de gordura nas artérias que pode levar a ataques cardíacos e derrames.

Curiosamente, vários estudos mostram que o mel ajude melhorar seus níveis de colesterol. Ele reduz o colesterol LDL total ("ruim"), enquanto aumenta significativamente o colesterol HDL "bom".

Um estudo em 55 pacientes comparou o mel ao açúcar de mesa e descobriu que o consumo de mel ocasionou uma redução de 5,8% no LDL e um aumento de 3,3% no colesterol HDL. Também levou a uma perda modesta de peso de 1,3%. 

 

    5. Redução de triglicerídeos

Os triglicerídeos elevados no sangue são outro fator de risco que podem causar doenças cardíacas. Eles também estão associados à resistência à insulina, uma das principais causas do diabetes tipo 2.

Os níveis de triglicerídeos tendem a aumentar com uma dieta rica em açúcar e carboidratos refinados .

Curiosamente, vários estudos relacionaram o consumo regular de mel com níveis mais baixos de triglicerídeos, especialmente quando ele é usado para substituir o açúcar. Num estudo comparando mel e açúcar encontrou- se níveis de triglicerídeos 19% mais baixos no grupo do mel, desde que seja usado com moderação, alguns nutricionistas recomendam uma colher de chá ao dia para algumas dietas e até duas colheres para outras.

 

    6. Saúde cardiovascular

Novamente, o mel possui uma fonte rica em fenóis e outros compostos antioxidantes. Muitos deles foram associados a um risco reduzido de doenças cardíacas.

Esses antioxidantes atuam como vasodilatadores, ajudando a dilatar as artérias do coração, aumentando o fluxo sanguíneo para o coração. Eles também podem ajudar a prevenir a formação de coágulos sanguíneos, que pode levar a ataques cardíacos e derrames.

Além disso, um estudo experimental mostrou que o mel protegia o coração do estresse oxidativo.

 

    7. Poder cicatrizante

O tratamento tópico com mel tem sido usado para curar feridas e queimaduras desde o antigo Egito e ainda é comum hoje.

Uma revisão de 26 estudos sobre mel e cuidados com feridas descobriu que o mel é mais eficaz no tratamento de queimaduras e feridas que infeccionaram após a cirurgia.

O mel também é um tratamento eficaz para úlceras de pé diabético, que são complicações graves que podem levar à amputação. Um estudo relatou uma taxa de sucesso de 43,3% com o mel como tratamento de feridas. Em outro estudo, o mel tópico curou em até 97% das úlceras diabéticas dos pacientes.

A ciência moderna já comprovou que o Peróxido de Hidrogênio possui excelente capacidade e desinfetante, eliminando totalmente germes e bactérias presentes tanto na pele quanto em superfícies.

Os pesquisadores acreditam que os poderes de cura do mel vêm de seus efeitos antibacterianos e anti-inflamatórios, bem como de sua capacidade de nutrir o tecido circundante.

Além do mais, pode ajudar a tratar outras doenças de pele, incluindo bactérias causadoras de psoríase e lesões de herpes.

 

8 Combate a infecção respiratória superior

A tosse é um problema comum em crianças com infecções respiratórias superiores. Essas infecções podem afetar o sono e a qualidade de vida das crianças e dos pais.

No entanto, os medicamentos convencionais para a tosse nem sempre são eficazes e podem ter efeitos colaterais para crianças menores. Curiosamente, o mel pode ser uma escolha melhor, e as evidências indicam que é muito eficaz, principalmente para dor de garganta.

Um estudo descobriu que o mel funcionou melhor do que dois medicamentos comuns para tosse.

Outro estudo descobriu que reduziu os sintomas de tosse e melhorou o sono mais do que medicamentos para tosse.

No entanto, o mel nunca deve ser dado a crianças com menos de um ano de idade devido ao risco de botulismo.

 

CUIDADO 

Certifique-se da procedência do produto que está consumindo, pois alguns produtos de qualidade inferior podem ser misturados com xarope ou outras substâncias. 

Os benefícios do mel são mais pronunciados quando ele está substituindo outro adoçante não saudável e artificial, por isso podemos dizer que é uma ótima escolha. E apesar de ser alternativa deliciosa e saudável ao açúcar, lembre-se de que o mel deve ser consumido com moderação, pois ainda é rico em calorias.

 

Lívia Garcia

Nutricionista

 

Referências

Silva R A, et al. Composição e propriedades terapêuticas do mel de abelha. Alimentos e Nutrição Araraquara, Araquara, v. 17, n. 1, p. 113-120, mar. 2006.

Gheldof N, Wang XH, Engeseth NJ. Identification and quantification of antioxidant components of honeys from various floral sources. J Agric Food Chem. 2002;50(21):5870-5877. doi:10.1021/jf0256135

Abdulrhman MM, El-Hefnawy MH, Aly RH, et al. Metabolic effects of honey in type 1 diabetes mellitus: a randomized crossover pilot study. J Med Food. 2013;16(1):66-72. doi:10.1089/jmf.2012.0108

Bahrami M, Ataie-Jafari A, Hosseini S, Foruzanfar MH, Rahmani M, Pajouhi M. Effects of natural honey consumption in diabetic patients: an 8-week randomized clinical trial. Int J Food Sci Nutr. 2009;60(7):618-626. doi:10.3109/09637480801990389

Al-Waili NS. Natural honey lowers plasma glucose, C-reactive protein, homocysteine, and blood lipids in healthy, diabetic, and hyperlipidemic subjects: comparison with dextrose and sucrose. J Med Food. 2004;7(1):100-107. doi:10.1089/109662004322984789

Trifković J, Andrić F, Ristivojević P, Guzelmeric E, Yesilada E. Analytical Methods in Tracing Honey Authenticity. J AOAC Int. 2017;100(4):827-839. doi:10.5740/jaoacint.17-0142

Erejuwa OO, Sulaiman SA, Wahab MS, Sirajudeen KN, Salleh MS, Gurtu S. Differential responses to blood pressure and oxidative stress in streptozotocin-induced diabetic Wistar-Kyoto rats and spontaneously hypertensive rats: effects of antioxidant (honey) treatment. Int J Mol Sci. 2011;12(3):1888-1907. doi:10.3390/ijms12031888

Erejuwa OO, Sulaiman SA, Ab Wahab MS, Sirajudeen KN, Salleh S, Gurtu S. Honey supplementation in spontaneously hypertensive rats elicits antihypertensive effect via amelioration of renal oxidative stress. Oxid Med Cell Longev. 2012;2012:374037. doi:10.1155/2012/374037

Khalil MI, Sulaiman SA. The potential role of honey and its polyphenols in preventing heart diseases: a review. Afr J Tradit Complement Altern Med. 2010;7(4):315-321. doi:10.4314/ajtcam.v7i4.56693

Majid M, Younis MA, Naveed AK, Shah MU, Azeem Z, Tirmizi SH. Effects of natural honey on blood glucose and lipid profile in young healthy Pakistani males. J Ayub Med Coll Abbottabad. 2013;25(3-4):44-47.

Yaghoobi N, Al-Waili N, Ghayour-Mobarhan M, et al. Natural honey and cardiovascular risk factors; effects on blood glucose, cholesterol, triacylglycerole, CRP, and body weight compared with sucrose. ScientificWorldJournal. 2008;8:463-469. Published 2008 Apr 20. doi:10.1100/tsw.2008.64

Khalil MI, Tanvir EM, Afroz R, Sulaiman SA, Gan SH. Cardioprotective Effects of Tualang Honey: Amelioration of Cholesterol and Cardiac Enzymes Levels. Biomed Res Int. 2015;2015:286051. doi:10.1155/2015/286051

Jull AB, Cullum N, Dumville JC, Westby MJ, Deshpande S, Walker N. Honey as a topical treatment for wounds. Cochrane Database Syst Rev. 2015;(3):CD005083. Published 2015 Mar 6. doi:10.1002/14651858.CD005083.pub4

Eddy JJ, Gideonsen MD, Mack GP. Practical considerations of using topical honey for neuropathic diabetic foot ulcers: a review. WMJ. 2008;107(4):187-190.

Moghazy AM, Shams ME, Adly OA, et al. The clinical and cost effectiveness of bee honey dressing in the treatment of diabetic foot ulcers. Diabetes Res Clin Pract. 2010;89(3):276-281. doi:10.1016/j.diabres.2010.05.021

Alam F, Islam MA, Gan SH, Khalil MI. Honey: a potential therapeutic agent for managing diabetic wounds. Evid Based Complement Alternat Med. 2014;2014:169130. doi:10.1155/2014/169130

Hashemipour MA, Tavakolineghad Z, Arabzadeh SA, Iranmanesh Z, Nassab SA. Antiviral Activities of Honey, Royal Jelly, and Acyclovir Against HSV-1. Wounds. 2014;26(2):47-54.

Semprini A, Singer J, Braithwaite I, et al. Kanuka honey versus aciclovir for the topical treatment of herpes simplex labialis: a randomised controlled trial. BMJ Open. 2019 May;9(5):e026201. DOI: 10.1136/bmjopen-2018-026201

Shadkam MN, Mozaffari-Khosravi H, Mozayan MR. A comparison of the effect of honey, dextromethorphan, and diphenhydramine on nightly cough and sleep quality in children and their parents. J Altern Complement Med. 2010;16(7):787-793. doi:10.1089/acm.2009.0311

Paul IM, Beiler J, McMonagle A, Shaffer ML, Duda L, Berlin CM Jr. Effect of honey, dextromethorphan, and no treatment on nocturnal cough and sleep quality for coughing children and their parents. Arch Pediatr Adolesc Med. 2007;161(12):1140-1146. doi:10.1001/archpedi.161.12.1140

Goldman RD. Honey for treatment of cough in children. Can Fam Physician. 2014;60(12):1107-1110